Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alfacinha

alfacinha

14.03.18

Ser mãe #7 - A palpitação aconchegante

mariana
Ser mãe é sentir aconchego em os ter por perto, saber que neles mora o incerto mais que certo, amor que sibila como o vento. É o aconchego sentido em cada pingo de chuva que cai lá fora, no primeiro gole de um café com leite quente ou no frio que se faz calor depois de um mergulho no mar.    É encontrar em cada vaga de emoções um sem número de explicações para o significado do verbo amar.Ser mãe é para lá de gerar vida, é sobretudo gerir vidas. Vai-se esculpindo no dia a (...)
27.11.17

Um mês em fotografia (ou dois) - Setembro e Outubro

mariana
Setembro e Outubro já lá vão há muito e o Natal chega daqui menos de um mês , mas como o tempo se perde mais rápido do que se ganha ficam sempre coisas por fazer. No entanto, vamos sempre a tempo de recordar os melhores momentos e por isso é altura de passar em revista estes meses de um outono quente e tropical. Foram meses de algum trabalho, de início de projectos e de assentar de ideias. Trabalhar a partir de casa é por vezes complicado, com um bebé de um ano e meio cada vez (...)
29.09.17

Um mês em fotografia - Agosto

mariana
Com a chegada do Outono, despedimos-nos do verão e não há nada melhor para o fazer do que um best of do mês de Agosto em fotografia.O nosso querido mês de Agosto foi dividido entre o Oeste e o Algarve, mas foi sobretudo dedicado a aproveitar a estadia do Francisco. Foi também a inauguração da vida balnear do Manel, que passou de odiar a praia a amar água, areia, baldes e afins. O medo do mar é pouco ou nenhum, o que deixa o meu coração de mãe a palpitar sem parar. Nesta fase (...)
22.08.17

Um mês em fotografia - Julho

mariana
Julho já lá vai e Agosto está quase a ir embora. Julho foi um mês cheio de trabalho (e ainda bem): os workshops de costura no Atelier da Tufi ; algumas encomendas e o delinear de novos projectos. Pelo meio, deu para descansar e passar uns dias de férias com o meu pai. Contámos com a vinda do meu irmão e da minha cunhada que vieram passar um merecido mês de férias ao nosso cantinho cheio de sol e de mar. O Manel adora os (...)
21.08.17

Instantaneamente #7 - A nossa praia

mariana
Gosto de pensar que a vida é feita de grãos de areia díspares e especiais. Grãos de areia que transformam o minúsculo no enorme, o enorme em majestoso. Acredito que todas as partículas da nossa vida têm na essência a bruta simetria que o mundo nos oferece.Quis o mundo que esta praia, no oeste do nosso país, fosse a praia da minha infância. Da infância saltou para a adolescência, da adolescência oscilou para a idade adulta. É uma praia incerta, tem tanto de bonita como de (...)
17.07.17

Instantaneamente #6 - A hora LCD

mariana
  A "hora LCD" (lavar/comer/dormir) de hoje já chegou ao fim e não me sinto tão fresca como se tivesse acabado de beber uma Coca-Cola light. Esta hora é o "ver se te avias" de qualquer família e parece que nunca existem mãos a medir. É caótica e faz questionar a sanidade mental de qualquer santidade. É vivida por mães e por pais, a full ou part time, e fazem uma hora equivaler a 24. No fim de dar banho a uma enguia enraivecida, ainda temos que alimentar tigres (...)
24.05.17

Ser mãe #7 - Um filho é uma concha

mariana
Não foste planeado. Foste a surpresa inequívoca pela qual se espera a vida toda. És como uma concha que se encontra à beira-mar, daquelas com um buraquinho por aonde se passa um fio para fazer colares, banais mas tão especiais.  Afinal ser mãe ou pai é a banalidade mais especial de sempre. Quase toda a gente tem filhos, mas cada um os vive dentro da raridade que eles nos fazem sentir.  Cada filho é uma concha, daquelas corriqueiras, mas com o seu próprio e extraordinário (...)
19.05.17

Instantaneamente # 3 - As birras, o choro e a nossa senhora dos agriões!

mariana
  Há muito disto. As birras e o choro fazem parte da gincana que ser mãe é. Traduz-se numa prova de obstáculos, com saltos, peripécias e uma certa de dose de loucura. O maravilhoso de toda esta loucura assistida, desta corrida pela sanidade, é que no final da meta está sempre o primeiro prémio à espera. A recompensa está sempre lá. É omnipresente nas birras e no choro, mas é garantida pela certeza de que por eles vale tudo a pena. Mesmo que haja um lusco fusco que nos faz (...)
16.05.17

Instantaneamente #2 - O meu circo

mariana
[Bom dia]   Sem um pingo de maldade,nem um nem outro. Dão trabalho,são exigentes e pouco pacientes. O Manel tão depressa o idolatra como lhe está a puxar o rabo. O brutus tanto lhe lambe os pés como o ignora como se ele fosse um indigente. São a minha companhia constante,todos os dias. São meus, para sempre. Ter um cão e um bebé exige tanto de amor como de cuidado. Mas é o amor que faz o circo girar, todos dias, constante com a inconstância do ser.   {É o meu circo, com (...)
09.05.17

Palavras soltas # 3 - Espalha Brasas

mariana
Lisboa, 7 de maio de 2017   Espalha brasas   Espalha brasas, O ladrão da calma Aquele que me sossega a alma. Amor de semeio, Com cravos no seu maneio. És mais que perfeito, Teimoso de defeito, Livre é teu jeito.   Levas a Audácia em riste, És prova que a felicidade existe. Espalha brasas, Mudas-te o mundo de lugar, E o sentido do amar.   { 1 ano do amor mais que perfeito, imperfeito e sem jeito}      Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram (...)