Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alfacinha

Quick DIY - Sinal para porta

Com a vida a mil à hora , mas muita vontade de criar e de partilhar querem-se projectos rápidos e fáceis de fazer. 
Para mim, estes DIY rápidos são mimos que gosto de me oferecer. Porque a cabeça fica distraída a criar e são cinco minutos em que estou focada em algo que gosto. Para além disso, o resultado são peças originais e, por regra, em conta. A meu ver, estes projectos rápidos só podem ter pontos a favor !
Hoje é dia de vos mostrar este sinal para portas, seja para o quarto dos miúdos ou para outra divisão qualquer da casa. Para além de dar jeito, os miúdos costumam adorar estes detalhes e o facto de ser em "ardósia" permite-lhes personalizar a mensagem. 
Quem mais alinha neste quick DIY? 
 

IMG_3757.JPG

FSSI3870.jpg

IMG_3756.JPG

QQRQ3441.jpg 

Sinal para porta em ardósia 

 
Materiais/aviamentos :
 
- sinal de porta em madeira (loja imaginação das cores ou em lojas dos chineses)
-papel de ardósia autocolante 
-lápis , tesoura , x-acto 
 
Como fazer:
 
1- Marque com um lápis o contorno do sinal de porta, no verso do papel autocolante. Repita a operação. 
 
 

FVFT0594[1].jpg

IOAX3459[1].jpg

 
2- Recorte ambos os desenhos do papel autocolante . Para o círculo interior do sinal, sugiro faça um corte no meio com um x-acto de forma a conseguir cortar o resto com a tesoura. 
 

LFRX4174[1].jpg

NUJK6350[1].jpg

  

3- Descole a película de papel de um dos recortes e cole, de cima para baixo e com cuidado, o papel autocolante ao sinal. Repita o processo para o outro lado. Apare possíveis excessos de papel autocolante com o X-acto.
 
 

ONVT8619[1].jpg

LGDU4088[1].jpg

 
4-  Escreva com giz a
Mensagem que mais gostar ! O sinal está pronto a utilizar . 
 
 

ARXI1172.jpg

 
 Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.



Ser mãe #7 - A palpitação aconchegante

Ser mãe é sentir aconchego em os ter por perto, saber que neles mora o incerto mais que certo, amor que sibila como o vento. É o aconchego sentido em cada pingo de chuva que cai lá fora, no primeiro gole de um café com leite quente ou no frio que se faz calor depois de um mergulho no mar. 

 

É encontrar em cada vaga de emoções um sem número de explicações para o significado do verbo amar.
Ser mãe é para lá de gerar vida, é sobretudo gerir vidas. Vai-se esculpindo no dia a dia, perdendo o fio à meada, sem ver o fim da estrada, ficando sem norte, deixando à sorte. Passamos de coração minguado a coração apertado, de coração crescente a coração cheio. Na verdade, somos sempre coração mole.
 
Encontramos o aconchego em cada sopro do cheiro familiar mais doce dos nossos filhos, a paz em cada minuto de sono. É um afagar de alma que nos traz a calma, por saber que está tudo no lugar certo, mesmo que a casa esteja virada do avesso e as meias não encontrem par. 
 
No barulho, na correria e na azáfama de todos os dias encontramos a saúde dos dias cheios de vida. Há que gerir o mundo que habita fora de nós. 
 
Palpitações, sopros, paciência, muita paciência. Para o vaivém da constância inconstante do turbilhão que é ser mãe. 
 
O aconchego leva o resto às costas. Os beijinhos valem por mil disparates, a moeda de troca mais altruísta, menos egoísta. Há quem diga que fazem da mães aquilo que querem, que connosco se portam sempre mal. Não sendo mentira que nos levam pela mão, a verdade é que já ouviram o nosso coração. Conhecem-nos bem, sentem as nossas angústias como mais ninguém. E se nos levam nas palminhas, nós sabemos lê-los nas entrelinhas. 
 
Um coração que bate sempre sem parar, não importa o lugar, é a palpitação aconchegante de ser mãe a falar. O lugar a que chamamos casa. O lugar que amamos profundamente, mas que às vezes parece não nos chegar. Às vezes o coração de uma mãe precisa de viajar. Precisa de sair do conforto do lar, precisa de sonhar e de concretizar, para depois como as andorinhas poder {sempre e inequivocamente} voltar. Porque a palpitação aconchegante que é ser mãe está sempre lá para nos recordar da morada à qual regressar.
 
 

NUEE3418[1].jpg

 
 Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

Gostarmos de nós: a banalidade que não deve ser trivial

 

IHPL6492[1].jpg

 

Tirei esta fotografia há dois dias e debati-me mil vezes se a havia de publicar ou não. Para muitos, não haverá aqui questão alguma e será uma fotografia normal, sem nada de extraordinário. A mim não me fez parar de pensar.

É de mais? É demasiado "tcharam"? Tem a ver comigo? Estou com ar de quem manda no mundo? Pareço uma diva à procura de plateia? Foram estas e tantas outras perguntas que andaram a passear na minha cabeça. Todas elas contrastavam com a minha reacção inicial. Porque, quando  olhei para a fotografia pensei "bolas, estás mesmo bonita nesta fotografia miúda !" E este pensamento foi, acreditem ou não, do mais inocente e ingénuo que possa haver. Tão inocente como a miúda de doze anos que tinha medo de falar mais alto ou de apresentar um trabalho à frente da turma. Tão ingénuo com a cachopa que gosta ,ao longe, do rapaz popular do colégio e que acha que nunca vai ser a miúda da porta ao lado.

Voltando à fotografia, entre fraldas e almoços , pensei se havia de publicar a dita cuja ou não. Enviei a chapa a várias amigas, para obter as mais diversas opiniões. Porque, para além de birras e de leite derramado, também falamos de coisas mais ou menos fúteis. Essas, às vezes, são entre mães e amigas verdadeiros aquecedores de alma. As opiniões que recebi foram todas consonantes: talvez seja um bocadinho de mais, mas se gostas vai em frente e publica. Uma amiga, franca e honesta, foi directa ao assunto e disse "Oh mulher, se estás a enviar é porque gostas. Por isso, vai em frente. Mas não abuses." E foi nesta frase que percebi que a decisão já estava tomada à partida. {às vezes somos tão complicadas que nos enlouquecemos umas às outras }.

A verdade, nua e crua, era que queria mesmo publicar a fotografia, mas não queria que ela me definisse. Corrijo-me, não queria que ela definisse o meu todo. Muitas vezes, o menos de nós vem ao de cima e outras tantas acaba por nos definir. E se isso não tem nada de mal, torna-se por vezes, uma barreira para uma infinidade de possibilidades. E eu odeio barreiras. No entanto, não tendo eu este ar fresco e radioso todos os dias, gostei do facto de o apreciar entre brincadeiras no quarto do chão do meu filho de dois anos. Porque, afinal essa é a magia da fotografia. Quando a tirei, o Manel estava-me a morder os tornozelos e o cão estava a rebolar no tapete novo freneticamente. Estávamos em cima da hora de almoço, entre birras e berros, com trinta mil coisas por fazer e várias por alinhavar. Mas, há um segundo em que a mulher aparece por detrás da mãe atarefada. Há um segundo em que a mulher confiante se ergue atrás da miúda de liceu. Captado num instante, sem querer, com a descontracção com que um miúdo de dois anos tenta roer os tornozelos da mãe. Tudo isto tem que ter algum toque de magia (e de alguma base que tinha posto vá).

Se odeio que a imagem crie barreiras, adoro quebra-las através dela. E quando uma imagem nos está a fazer pensar, está automaticamente a quebrar uma barreira, ou, pelo menos está a tentar. Uma mãe é mais do que uma mãe. Uma mulher é mais do que uma mulher. É mais do que um palmo de cara ou do que uma figura mais ou menos voluptuosa. Se não nos devemos esquecer de um, julgo que também não devemos abusar de outro. Mas, que podem andar de mãos dadas podem. Sem excessos e sem nos definirem.

No fundo, somos todas "miúdas do lado"  a partir do momento em que gostamos de nós. E quando acreditamos nisto (quase) tudo é válido e nada é de mais. Com conta, peso e medida. É isso que nos torna verdadeiramente especiais, sermos "miúdas do lado" sem o ser e gostarmos muito de nós.

Olhar para uma fotografia e pensar "bolas, estou bonita!"., não deve ser nunca motivo de dúvida ou de vergonha. No fundo, naqueles momentos de hesitação foi isso que senti. Pensei que se calhar o olhar era sedutor de mais e que a imagem em si era despropositada. Afinal, somos alimentados todos os dias com imagens de pessoas que transbordam sensualidade. É a banalidade que vende. Se gostarmos de nós deve ser a regra, tal não deve ser tornado numa banalidade trivial, porque em última instância o que é de mais enjoa. E o que enjoa, não pode ser especial.

Aqui sinto-me bonita, mas também me sinto transparente e despida de defesas. Por isto tudo, publicar esta fotografia é um acto genuíno, ainda que tirado a ferros. Ou, talvez seja o orgulho da cachopa de 12 anos, que se escondia e falava baixinho, a querer dizer alto e a bom som que está aqui. E que não vai a lado nenhum. Como mulheres, temos que ter o triplo da força emocional dos homens. A maior parte de nós, mães ou não, carrega o mundo às costas. Seja a trabalhar por conta de outrem, a gerir uma casa, a gerir um negócio próprio, a gerir uma casa e um negócio próprio, a gerir o periquito , o cão e os filhos. Vai na volta, esquecemos nos de nos gerir a nós mesmas. E isso é tramado. Mas, sobrevivemos. Por isso, é que uma fotografia nos faz acreditar que somos bonitas é mais importante do que pode, à primeira vista, parecer.

Sentirmos-nos bem faz-nos sentir capazes. E se formos capazes de nos sentir felizes, estamos a meio caminho de conquistar o universo. Partilhar isso com o mundo é a cereja no topo do bolo. {ser capaz de retirar o bom que se ouve dele é outra lição saborosa de aprender.}

 

 Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.