Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alfacinha

alfacinha

Ser mãe #6 - É o milagre da vida

Há oito meses que nasceu o Manel, há oito meses que sou mãe. Foram oito meses que passaram a voar: com momentos à velocidade da luz, outros a passo de caracol e outros a velocidade cruzeiro. A maior parte dos dias é vivida num corrupio, mas com uma intensidade brutal.

 

Há momentos e dias complicados, há dias em que parece que o pouco que fizemos a nada se resumiu. Existem hesitações, preocupações, sono, paciência gasta e perdida, medos e receios. Com o nascer de um bebé nasce uma mãe, nasce um ser para lá de fabuloso, mas não por isso isento de dúvidas e questões. O instinto resolve muitas dessas dúvidas, outras resolvem-se por si mesmas, uma parte dissipa-se com o sorriso deles e algumas aguardam futuro esclarecimento. Contudo, a maternidade traz também muitas certezas. A maior delas é que por um filho tudo vale a pena e que ser mãe faz brotar um nível de força interior imenso e maior do que podíamos esperar algum dia alcançar. 

 

Ser mãe é uma escola aonde aprendemos e educamos ao mesmo tempo. É uma escola que escolhemos frequentar e na qual depositamos o coração e a alma todos os dias, para todo o sempre. A maternidade é uma aventura, uma alegria, uma quimera e uma pequena loucura. É feita nos detalhes e nas entrelinhas apenas por nós entendidos. 

 

Mãe é mais do que um título, é sinónimo de cuidar, de dar, de ensinar e de aprender. Pode ser extenuante e difícil, mas é a viagem mais recompensadora de sempre. Há oito meses mudei para sempre a forma como vejo o mundo, não mudando a minha forma de ser e de estar, mas conquistando a garantia de que um filho nos dá a facilidade de viver com mais intensidade aquilo que realmente importa. Foi há oito meses que conheci a vida como vida e que comecei a maior aventura por ela traçada.

 

A minha aventura já tem dois dentes, já diz "Dá dá" a tudo aquilo que nós vê por na boca ou simplesmente como forma de comunicação, começa a ter caracóis e um feitio a condizer, parece uma lagarta quando lhe mudo a fralda, aperta e brinca com o Brutus como se não houvesse amanhã, senta-se perfeitamente sozinho e quase que gatinha (o pai diz que rasteja à militar). De há duas semanas para cá parece que todos os dias faz uma graçinha nova e já me disseram que até ter um ano as novidades são uma constante. As noites continuam a ser um jogo de sorte ou azar e confesso que não sendo um caso dramático é aquilo que mais me custa. Começo a antever as saudades que vou sentir deste bebé  e recorro a elas quando tudo parece mais complicado. 

 

A maternidade trouxe-me a vontade de fazer mais, de ir à procura e de trabalhar como nunca e dou por mim a fazer listas sem fim daquilo que quero fazer. Listas essas que ponho de parte com a frequência necessária que ser mãe implica. Não tenho arrependimentos ou queixumes, mas ser mãe ocupa tempo e espaço e é um facto de que há coisas que ficam paradas por mais tempo do que gostaríamos. Toda a estagnação e ginástica são por um bem maior e pela certeza de que tudo se consegue porque vale muito a pena.

 

A experiência da maternidade tem sido inesquecível e dou por mim a aprender coisas novas todos os dias. A maior lição comum a todos eles é o facto de ser diariamente confrontada com o milagre da vida. Quando temos um filho é essa a primeira lição que aprendemos: a vida é estupidamente bela, magnífica, extraordinária e eles são o milagre que dentro dela vão habitar eternamente.

 

Vou registando as experiências, na memória e em texto, para daqui a uns anos revisitar e mostrar ao Manel como foi a melhor experiência que a vida até agora me proporcionou: ser mãe dele.

 

Para celebrar estes oito meses deixo-vos oito textos, para ler ou reler. Porque na maternidade a partilha e a compreensão são essenciais. As mães devem ser umas para as outras, aceitar que há mais do que uma forma de ser mãe e de que todas elas são válidas desde que tenham como alicerce o amor. É cliché e piroso, mas a maternidade também tem um bocadinho disso. 

 

 

Ser mãe #1

Ser mãe #2 - Instinto

Ser mãe #3 - É dar colo  

Ser mãe #4 - É ser formadora da humanidade 

Ser mãe #5 - O trabalho mais valioso do mundo 

O medo irracional de uma mãe 

Quanto tempo o tempo tem 

A serenidade no meio do caos 

 

IMG_1226.JPG

1 mês

 

IMG_2208 (1).JPG

2 meses

 

IMG_2569.JPG

3 meses

 

IMG_3300 (2).JPG

4 meses

 

IMG_4196 (1).JPG

5 meses

 

IMG_0378.JPG

6 meses

 

IMG_1634.JPG

7 meses

 

IMG_1987.JPG

8 meses

 

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.