Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alfacinha

alfacinha

Pessoas que me inspiram #3- Andrea Portugal Deveza

Gosto muito de pessoas. Cada vez mais gosto de me dar a conhecer e de receber delas aquilo que tiverem para dar. Há umas que dão tanto com gestos mais pequenos do que um grão de areia, outras não nos dão nada com gestos mais bruscos do que um camião TIR, outras demoram a dar aquilo que têm guardado nas profundezas do coração.

Seja qual for a dádiva que os outros nos escolhem ou não dar, há sempre bons motivos para nós darmos aos outros na medida que quisermos, consoante humores e tempo disponível na agenda. Ser mãe veio reforçar isso. Há sempre algo nos outros que vale a pena, e se não valer nada há a perder. É tão simples quanto isto: só podemos ganhar. E eu gosto de ganhar.

A maternidade trouxe-me amigas, amigas de infância, quando já não julgava ser possível estabelecer novos laços de forma tão desprovida. Quando a Andrea me veio perguntar através do instagram se eu gostaria de dar workshops de costura, não previa que dali fosse nascer uma amizade. Aceitei quase de imediato a proposta e fui recebida de braços abertos. Ao longo destes meses, foi-se desenvolvendo uma relação de trabalho, mas também uma relação muito engraçada de carinho, amizade e companheirismo.

Tenho uma admiração brutal por ela, tanto pela mãe como pela mulher empreendedora que é. Acima de tudo, olho para ela como uma referência a seguir. A Andrea é arquitecta de casas, mas também concebe sonhos e outras pequenas maravilhas. Sobretudo, a Andrea é mãe. É mãe de três miúdos lindos, os gémeos e o bebé vasquinho, os irmãos mais queridos do bairro. São uma família especial, doce e pela qual só se pode nutrir carinho porque dela brota afecto. É assim que vejo a Andrea: uma semeadora da afecto. 

É a miúda mais velha que eu, mas que me faz sentir igual a ela, sem me tirar sabedoria, dando-me confiança e aconchego. É esse aconchego e essa relação de proximidade que faz com que os dias mais difíceis sejam mais doces. São os silêncios e as palavras, a atenção e o cuidado, que fazem das pessoas portos-de-abrigo quando precisamos de leme para nos guiar. A Andrea constrói coisas bonitas com as mãos, mas deposita nelas o bater do coração. E sei que ,apesar de só a conhecer há uns meses, nunca o faria de outra forma porque lhe está assim cravado na pele.

São pessoas e surpresas destas que fazem a vida valer a pena. Porque as amigas de infância podem ser feitas na idade adulta, basta que o coração queira. 

Dizer obrigada à vida pela alegria que esta dádiva me deu. Agradecer à Andrea a confiança, o mimo, a partilha, o silêncio e a conversa.

Ser mãe é mais fácil com outras mães ao lado, ser gente é mais saboroso com gente por perto. 

 

{um bocadinho da querida Andrea, aqui.}

 

d5cfde7eabf1da9c6aa42b615c7e1bf6.jpg

imagem retirada do pinterest

 

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.