Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alfacinha

alfacinha

Palavras soltas #1 - Crescer

Sempre gostei de poesia. O gosto pode ter surgido na altura em que tinha que decorar poemas todas as semanas e recita-los diante dos meus colegas. No entanto, acho mais provável que tenha vindo do meu avô que escrevinhava poesia em pedaços de papel nas tardes quentes de verão.

Gosto de a ler, de a sentir e de a escrever. Para mim, a poesia dispensa qualquer tipo de análise ou interpretação. Era o que mais me irritava na disciplina de português: analisar poesia. Como se as palavras pudessem ser medidas e interpretadas apenas de uma forma. As palavras existem para que se brinque com elas e são belas por si só. Para que é que se tenta medir aquilo que dispensa medida?

Estas são palavras soltas, palavras que escrevinho. Do cabeça para o papel, do papel para o computador. Sem grande revisão e nenhum cuidado em relação a métricas e afins. São minhas e decidi partilha-las aqui, leiam-nas e sintam-as.

 

Crescer

 

Cresce no crescer,

Do crescer que é aprender;

No aprender do crescer,

Do sonhar, do amar, do ser.

 

Cresce nos sonhos distraídos, 

Das horas roubadas;

Dentro das memórias partilhadas,

Dos murmúrios estridentes, 

Das carícias dadas.

 

Lembra-te do que é alegre ser;

Pequeno e voraz.

Da sede de querer descobrir,

O mundo dos crescidos em que teu te dás.

 

Cresce educado,

Não formatado;

Toldado por ninguém;

Livre, pensante e dançante. 

 

Cresce a dançar,

Dança com os teus medos,

Torna-os teus;

Conquista-os, ultrapassa-os.

Liberta-te, sonha, alcança.

Da vida fica uma lembrança.

 

Imagina dentro do que és,

O que o céu pode alcançar.

Imagina o mundo que desejas,

Sem medida, só com esperança;

Sente-o, inspira-o, bebe-o,

E guarda-o no bolso.

 

Cresce sem linha de horizonte,

À velocidade da brisa;

De maré em maré,

De lés a lés.

 

Rodeia-te de pares,

Respeita-os, estima-os. 

Dá-te em pleno ao luminosos,

Aos imperfeitos com alma,

Aos que sentem,

Aos que vão para além das medidas desmesuradas do ser.

 

A ti mede-te pelo que és,

Nem pouco, nem mais.

Sem excepção à regra,

Sê excepcional e rege-te pelo teu bater.

 

Cresce devagar, 

Sem pressa e sem par;

Para te sussurrar baixinho:

Cresce de mansinho.

 

Não cresças a contra-relógio,

É que crescer é um ócio. 

 

IMG_3723.JPG

  

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

2 comentários

Comentar post