Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alfacinha

alfacinha

Mommy Meals #10 - O coelho da minha mãe

A receita que vos trago hoje é de uma carne que não é muito consensual: o coelho. Há quem adore e há quem odeie pratos de coelho.

 Cá em casa há histórias muito engraçadas relacionadas com este animal. O meu pai nunca foi grande fã de coelho, bravo (“de caça”) ou doméstico, por isso era um prato que se fazia com menos frequência. No entanto, a minha avó materna fazia com bastante regularidade receitas de coelho doméstico. Os meus avós chegaram a ter coelhos de criação e o meu irmão Manel criou amizade com um deles, o Afonso – mesmo este, apesar de uma visita à escola do Manel, na qual ficou quase sem pelo nas orelhas de tanta festa que os meninos lhe fizeram e dos laços especiais anteriormente estabelecidos, teve por destino final a panela…

Como já disse, o meu pai era pouco apreciador de coelho, sobretudo do típico coelho “à caçador”, que faziam muito no Alentejo, em casa dos meus avós paternos. Um dia, já há largos anos, num almoço tardio um chefe “presenteou-o” com um prato de coelho com ervilhas e ele, de tanta fome, não teve outro remédio e lá comeu o dito…

Até há muito pouco tempo, eu pertencia à classe de quem não apreciava coelho, mas na verdade nunca tinha experimentado. Confesso que era teimosia minha e uma experiência recente foi a prova de que experimentar novos sabores é importante. Já tinha visto a minha mãe a fazer este coelho várias vezes e nem o seu maravilhoso aspeto me tinha feito ceder, mas no outro dia o jantar em casa dos avós paternos do Manel foi coelho e lá experimentei. Surpresa das surpresas - gostei! E foi então que disse à minha mãe que afinal já gostava de coelho e estava preparada para provar o dela. No fim-de-semana seguinte a minha mãe lá comprou coelho e fez este manjar delicioso, que não posso deixar de partilhar com vocês.

É uma receita muito simples e fácil de fazer. Aconselho a que deixem o coelho a marinar de véspera, pois a carne de coelho é delicada e funciona melhor se ganhar os sabores de uma boa marinada. No entanto, se quiserem fazer sem marinar de véspera, poderão deixar temperado de manhã para confecionar ao jantar - resulta igualmente bem.

Experimentem esta delícia, que fez com que uma “descrente” nesta carne se apaixonasse por ela!

 

IMG_1374.JPG

O coelho da minha mãe

Para quatro pessoas

 

Ingredientes:

 

- 1 coelho médio (partido em pedaços)

- 1 colher e meia de sopa de massa de alho

- 1 colher de sopa de mostarda Dijon

- 1 colher de sobremesa de sal

- 1 colher de sobremesa de salva seca

- 1 colher de sopa de massa de pimentão

- 1 pacote pequeno de vinho branco (250 ml)

- 1 cálice de vinho do porto

- Hortelã q.b

- 1 cebola média

- Farinha q.b

- 1 colher de sopa de margarina

- 2 colheres de sopa de azeite

 

Modo de preparo:

 

1- De véspera ou com algumas horas de antecedência, ponha o coelho a marinar com a cebola partida em quartos e temperado com a massa de alho, a mostarda, o sal, a salva, a massa de pimentão, o vinho branco, o cálice de vinho do porto e um raminho de hortelã. Caso seja de véspera ou esteja calor, deve guardar o coelho no frigorífico num recipiente fechado.

 

2- Para confecionar o coelho, retire-o do frigorífico e deixe-o por uma hora à temperatura ambiente. Retire cada pedaço de coelho da marinada e seque bem com papel de cozinha, reserve a marinada. Passe os pedaços de coelho por farinha e leve a dourar no azeite e na margarina. Quando estiverem louros, ponha de parte e adicione a marinada (reserve a cebola) à frigideira na qual fritou o coelho, de forma a libertar os sucos nela deixados.

 

3- Num tabuleiro de ir ao forno, faça uma cama com a cebola em quartos e disponha sobre ela o coelho. Regue com a marinada e leve ao forno durante aproximadamente 45/50 minutos a 200º graus ou até o coelho estar cozinhado. Sirva com puré batata e uma boa salada de alface.

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.