Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alfacinha

alfacinha

Um mês em fotografia - Março

Março marçagão, manhãs de inverno tardes de verão.  

O provérbio confirmou-se e a maior parte dos dias de Março foram assim, o que permitiu alguns passeios, sobretudo agora que temos uma bengala que cabe no elevador sem precisar de ser desmontada em mil e uma partes. 

Mães e pais que estão à espera de bebé aqui fica o aviso: verifiquem as medidas dos vossos elevadores ou correm o risco de precisarem de comer um porco inteiro para sair de casa com os vossas crias. 

No meu caso a verdade é que quisemos um carrinho confortável para o Manel e esquecemos-nos de o medir antes de o comprar -  o resultado foi não caber no elevador sem ser desmontado e os passeios tornaram-se mais difíceis por causa disso. 

Julgo que é preferível investir num bom marsúpio para os primeiros meses e num carrinho que seja maneirinho. 

Divagações sobre meios de transporte à parte, aproveitámos a nova aquisição e os dias melhores para passear. 

Em Março tivemos várias datas a celebrar: o primeiro dia do pai, os anos do avô e os anos do pai. Foi um mês em festa. 

No fim do mês, dissemos um até já ao pai que foi trabalhar umas semanas para o País de Gales. E assim foi, rápido e delicioso. Uns dias mais frios do que outros, uns com um sol e um cheiro a Primavera que me fazem desejar imensamente o verão. 

Não sei se é por ter tido um dia de praia, mas acho que nunca tive tanta vontade que o verão viesse em força. 

Lá para Agosto estou a desejar o conforto de um chá quente e de mantas, mas por agora só penso em praia e em pernas rechonchudas ao léu. 

A pensar nisto, também comecei a organizar o guarda-roupa de verão do Manel. Quero aproveitar o tempo livre que tenho para fazer, para ele e para a mim, o máximo de peças de roupa que conseguir. Tempo esse que corre à velocidade da luz e que parece como sempre não ser suficiente... 

Daqui a sete dias o Manel faz 11 meses e depois começo-me a preparar para o facto de ele ir fazer um ano. É sempre um misto de pura alegria e excitação polvilhados com um pingo de saudade. 

Cada vez maior e mais pesado, quase a andar e com tendência para o disparate e para a traquinice. 

Que venha Abril, de preferência sem águas mil.

 

IMG_5505.JPG

IMG_5522.jpg

IMG_5500.JPG

pool.jpg

jkhgh.jpg

IMG_5502 (1).JPG

NDWF1398.jpg

BEAU2058 (1).jpg

DTNH1996.jpg

BAJS3487 (1).jpg

FSIK5965 (1).jpg

plok.jpg 

IMG_5507.JPG

polkihj.jpg

IMG_5516.JPG

DEZE5575.jpg

AQTN8770.jpg

AJPL1160.jpg

IMG_5510 (1).JPG

MTHK8486.jpg

GLDH9770.jpg

hhh.jpg

QUHN1921.jpgTEXS4572 (1).jpg

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

Mommy Meals #17 - Empadão de Atum

Já vos falei aqui da minha "dificuldade" de inserir o peixe nas refeições cá de casa. A verdade é que devíamos comer peixe todos os dias, mas não o fazendo tento pelo menos manter um número de 4/5 refeições de peixe por semana.

Estou por isso sempre à procura de receitas de peixe que fujam à rotina do grelhado/forno/frito/cozido. Porque há formas deliciosas de o fazer e podemos procurar alternativas ao lugares comuns. Não é que um peixe no forno não seja delicioso, assim como um pelo peixe grelhado ou uns filetes fritos com arroz soltinho. Mas, às vezes apetece variar um bocadinho.

Confesso que gosto muito de receitas "disfarçadas" e esta é uma das minhas preferidas.  Este empadão de atum junta todos os factores que mais gosto num prato: é saboroso, barato e reconfortante. É um prato estilo comida da avó, tão típico de um empadão de carne, mas nesta versão com um delicioso recheio de atum. Ainda por cima é uma excelente forma de dar nova vida às conservas que temos na dispensa! Neste caso, utilizo atum e tomate em lata porque acho uma excelente solução para o dia-a-dia, contudo podem utilizar atum e tomate fresco se assim o preferirem. 

Se quiserem variar do empadão de batata, podem aproveitar o recheio e utiliza-lo com com arroz ou massa. Também podem experimentar fazer o empadão com puré de batata doce ou uma mistura de batata normal e cenoura, julgo que deve ficar espectacular.

Para além de ser delicioso, é rápido e fácil de fazer e julgo ser uma boa opção para pôr a pequenada a comer peixe. Se sobrar, é daquelas refeições boas para levar na marmita. Digo se sobrar, porque é daqueles pratos que são tão gulosos que apetece comer do tabuleiro. 

Espero que gostem deste clássico reinventado de confort food!

 

IMG_5491.JPG

IMG_5492.JPG

Empadão de Atum

Para quatro pessoas

 

Ingredientes:

 

Para o puré:

 

- 5 batatas médias

- 60 gramas de manteiga

- 100 ml de leite

- Noz-moscada q.b

- Sal q.b

 

Para o recheio:

 

- 2 latas de atum em azeite

- 1 cebola média

- 1 dente de alho

- 5 colheres de sopa (bem cheias) de tomate em pedaços de lata

- 1 colher de chá de concentrado de tomate

- 1 colher de café de massa de pimentão

- 1 colher de sopa (rasa) de farinha

- Azeite q.b

- Sumo de limão q.b

- Sal q.b

- Pimenta q.b

- Coentros q.b

- Uma pitada de açúcar

 

Modo de preparo:

 

1 - Comece por fazer o puré, para tal comece por descascar as batatas e corte-as em pedaços médios. Leve-as a cozer numa panela com água temperada de sal. Quando estiverem cozidas reduza-as a puré com a ajuda de um passe-vite. Adicione a manteiga e leve ao lume mexendo sempre para que a mesma derreta. Junte o leite e vá sempre mexendo até o puré estar cremoso e livre de grumos. Se for necessário pode juntar mais leite, no entanto quando faço puré para empadão gosto que tenha mais consistência porque deslaça sempre um bocadinho quando vai ao forno. Tempere com noz-moscada e sal, reserve.

 

2 - Para o recheio de atum, comece por picar finamente a cebola e o alho. Leve ambos a refogar num bom fio de azeite até a cebola estar translúcida. Quando a cebola estiver bem refogada adicione o tomate em pedaços de lata e o concentrado de tomate. Misture o refogado e tempere com sal, pimenta, massa de pimentão e uma pitada de açúcar. Junte o atum previamente escorrido e mexa bem o preparado. Deixe o preparado apurar durante uns minutos e permita que o molho liberte algum líquido. Adicione a farinha ao molho e refresque com umas gotas de sumo de limão e coentros frescos picados. Retire do lume.

 

3 - Unte um tabuleiro de ir ao forno com um pouco de azeite e monte o empadão. Comece por colocar uma camada de puré, depois o recheio e finalize com outra camada de puré. Se desejar faça uns riscos decorativos com um garfo ou salpique com um pouco de azeite. Leve ao forno até estar bem douradinho e sirva com uma salada verde. 

 

IMG_5490.JPG

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

 

Pessoas que me inspiram # 2 - Avô Pedrosa

Ao meu avô Pedrosa, 

 

Vou tentar te escrever sem te chorar, o que na medida do possível é um tanto ou quanto impossível. Dizer que me inspiras é pouco, ensinaste-me tanto, nas mais variadas formas e feitios que o verbo carrega. Nunca me vou esquecer do que o meu pai, teu genro, me disse quando morreste: "A maior herança que ele te deixa é o que tu tens dele e o que ele te ensinou. Honra isso naquilo que fizeres." Não sei se as palavras foram exactamente estas, mas sei que foi aquilo que delas absorvi.  

 

A lágrima é me fácil e já me escorre pela cara, talvez por seres no patamar das exigências uma das que mais rege a minha forma de estar e de viver. Ou por todos terem por ti tanta consideração e estima que seja difícil as mais belas e perfeitas palavras corresponderem ao ínfimo do que eras. Sinto que nunca são suficientes e que fica sempre algo por dizer. 

 

Em pequenina e sem análises de ser, eras o meu avô. Apenas o meu avô, o meu vôvô que me levava em aventuras e a conhecer mil e uma pessoas em meia hora de caminho. Eras um herói que andava de mão dada e que me tratava como se fosse sua igual, mas com o carinho e protecção tão próprio dos avós.  

 

Hoje vejo para além das maravilhas do olhar de uma criança. Eras um homem bom, um homem bom que como todos os homens bons tinha defeitos e teimosias. Essas são particularidades do ser que todos temos, são detalhes que fazem dos heróis homens, são detalhes que fazem dos homens heróis. Hoje são detalhes que nos fazem rir quando te recordamos, porque são traços do dia-a-dia que observamos uns nos outros. Contas feitas e saldadas são memórias. E as memórias tem de tão particular a singularidade de quem as viveu. E vivemos todos os teus traços, desde do homem que iluminava qualquer sala quando nela entrava, qual Humphrey Bogart qual que, até ao que tinha que ter o jantar na mesa às sete e meia mesmo nos dias longos de verão. Vivemos-te e tu ensinaste-me que o riso comanda a vida e que não há razão de a viver sem "joie de vivre"

 

Aprendi tanto contigo que é difícil enumerar as lições sem outra aparecer logo a seguir na minha mente.  

 

Observar, observar os detalhes do ser humano, assim como o detalhes das hortênsias quando as pintavas a pastel de óleo. Com paciência, observar e estudar o sujeito. Uma hortense é composta por várias flores pequeninas, não é apenas uma flor. A singularidade da flor foi uma lição de pintura, mas nela estava uma forma de ver o mundo. Há mais do que um todo, há vários que o compõem com a beleza e dificuldade que o ver implica.  

 

Cair, cair de bicicleta não é nenhum drama e não há nenhum motivo que nos impeça de voltar a pedalar. Na vida, somos sempre crianças a aprender a andar de bicicleta sem rodinhas. É impossível que não se caia dela umas quantas vezes e um arranhão no joelho pode valer mais do que um percurso sem percalços. Ensinaste-me a lamber a ferida durante uns segundos e mostraste-me que era mais divertido andar de bicicleta do que ficar a chorar sobre uma esfoladela.  

 

Igualdade, igualdade de género. A avó queria que eu bordasse e fizesse cópias à mão. Eu queria andar a saltar de galho em galho e sujar-me com a terra do quintal. Sobretudo queria andar contigo de um lado para o outro, fosse para aonde fosse, horas sem fim e sem limites. Hoje tenho pena de não ter aproveitado os ensinamentos da avó, mas não guardo nenhum arrependimento por os ter gasto em aventuras e caminhadas ao teu lado. As brincadeiras de rapaz não existem, nem as de menina. A liberdade que me permitiste ter ao teu lado ensinou-me a delicadeza da igualdade de género. Mostrou-me que somos iguais sem o ser e que é de pequenino que se ensina a liberdade de escolha, sem pressões ou restrições de brincadeiras. Hoje gosto mais de bordar, de costurar e de coisas de "menina", a liberdade de subir às árvores permitiu-me encontrar magia e aventura em actividades mais calmas. Contudo, a rebeldia da trepadora de árvores continua em cada corte que a minha tesoura faz, em cada ponto que a minha agulha dá. 

 

Conhecer, conhecermos-mos uns aos outros. Quando me lembro de ti sinto que te podia ter descoberto por mais mil e um anos, terias de certo me ensinado mais mil e uma coisas. Formaste-me sem me toldar, sem eu perceber, com o carinho e ternura com que nos chamavas riqueza. A mãe  e eu temos saudades dessa palavra ou apenas do som da tua voz quando a proferias. Mas, o curioso é pensar que se sou mais rica a ti, em parte, o devo. Bebi inspiração na tua forma despojada de ser, ensinaste-me a simpatia das palavras nos nossos passeios. Não havia ninguém que não te conhecesse, não havia ninguém que não te gostasse. Quando se diz isto de alguém parece impossível, parece mentira. Mas, é uma certeza para todos aqueles que te conheceram e que de ti guardam saudades e recordações. Podias ser tanto amigo de um barão como de um sapateiro, sem as caganças ou peneiras dos dias de hoje. Eras o Pedrosa, o tio Mané, o Manel de Santarém, o papá e o vôvô.  

 

Fosses quem fosses, eras sobretudo leal. E se a melhor forma de aprender é a ver os nossos ser, contigo aprendi que ser leal tem tanto de precioso como de raro e frágil. A lealdade é nos dias de hoje uma quimera e às vezes arranca-nos o coração do peito. Obstante isso, a lealdade vale a pena. Porque sermos leais aos outros é sermos leais a nós próprios e não há nada no mundo que pague isso. Não há nada no mundo que pague o descanso de um sono descansado e de uma cabeça tranquila. Procuro a lealdade nas pessoas como os mineiros procuram o ouro, com uma peneira a separar o trigo do joio. Quando a encontro agarro-me aos seus detentores e não os deixo partir. Sou lhes leal até o fim e luto por eles com a sede de viver que me ensinaste a ter. Porque a lealdade é o sangue que corre nas veias dos que não são nossos. E por se sangue se ama incondicionalmente, para sempre e sem barreiras, o mesmo é para ela válido. 

 

O que me corre nas veias é sangue, não é água. Dizias a frase vezes sem fim, de pulmão cheio e coração no bolso. Em relação à única irmã que tinhas viva e que muitos consideravam uma pessoa difícil. Acho que um dos teus maiores receios era que eu e o meu irmão nos déssemos mal. Prova está no facto de só te chateares connosco quando brigávamos um com o outro. Éramos cão e gato e às vezes ainda agimos como dois fedelhos selvagens, mas não só o sangue me faz ama-lo desmesuradamente e a admiração que tenho por ele é superior a qualquer briga de gatos. É um companheiro de passado, do presente e do futuro. É um irmão mais velho que trato muitas vezes com a protecção e carinho que trataria um irmão mais novo. Por isso, o sangue não é água, mas também é amor, dedicação e lealdade. 

 

Abraçar e aproveitar cada segundo, cada memória e história ouvida. Foi há dez anos, mas podia ter sido ontem. Correr para os teus braços faz-me falta. Abraçar-te vai ser sempre sinónimo de saudade. Uma saudade lendária, daquelas de filme. Esqueço-me sempre que já não eras novo, a desproporção da vida que tinhas em relação à idade era do tamanho do teu abraço. É fácil nos esquecermos que a vida tem, de facto, um prazo de validade. Prazo esse que, por vezes, parece nunca ser suficiente para aquilo que desejamos que os nossos passem ao nosso lado. É básico e simples, aproveitar cada abraço, cada história repetida vinte vezes, cada ralhete, cada balançar de perna, conversa e música sussurrada. Vamos sempre achar que foi pouco, também nunca gostamos que se acabem os iogurtes que mais gostamos, mas pior que isso é deixa-los na prateleira a passar do prazo.  

 

A beleza da vida está nas pessoas que cuidam de nós. Está nos detalhes, seja nos de uma hortense ou nos de alguém que se cruze pelo caminho. A alegria está nos joelhos esfolados e no cheiro do sol a bater-nos no rosto. A felicidade está na voz do Nat King Cole e nos tecidos surripiados no meio de um monte de retalhos. A paz está no ar do Coimbrão, na luz em que te encontro sempre que lá vou. A saudade está nos sofás de orelhas para aonde corria quando te abraçava. Nos sofás aonde me sento e te sinto quando preciso de afecto. A maravilha está no destino e nas suas particularidades. Está no escrever à mão este texto e quando o acabo verificar que o destino se encarregou que o escrevesse com uma caneta da tua antiga fábrica: Cerâmica Senhora da Guia Lda.  

 

A beleza está nas pessoas se guardarem no coração umas das outras. E tu estás em mim, para sempre, sem restrições ou limites. 

 

avo pe.jpg

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

Mommy Meals #16 - Macarrão com Queijos e tomate

Dizer que ando a mil à hora é um eufemismo. Dizer que a lista de coisas que tenho para fazer é do tamanho da muralha da china é um exagero, mas de pequena de certo que nada tem.

As horas das refeições são como sempre geridas à pressa e consoante aquilo que há na dispensa. Os deuses da organização doméstica ainda não descenderam sobre a minha pessoa e por isso é tudo feito consoante é necessário. Há dias em que se consegue um bocadinho mais de organização, mas a maior parte das vezes é mesmo tudo sobre o joelho.

Não é por isso de admirar que recorra a pratos rápidos e que as massas estejam sempre em primeiro plano. Pensei se partilhava ou não a receita já, porque tenho receio de vos estar a "dar" sempre o mesmo tipo de prato. No entanto, sendo este blog um reflexo da minha pessoa (e neste caso do meu desleixo doméstico actual) achei que não fazia sentido estar a esperar por outra altura em que já não colocasse pratos de massa há algum tempo.

Para além disso este prato, uma massa deliciosa estilo mac and cheese, faz de certo as delícias dos mais pequeninos adoram e julgo que dos crescidos também. Ou serei eu a única "imatura" culinária a habitar o planeta Porque a culinária é para ser vivida aos poucos e saboreada ao máximo. E porque se é bom e saboroso não há motivos para pôr na prateleira apenas por não ser diferente o suficiente.

Sobretudo porque gosto de manter uma certa autenticidade naquilo que publico e não tem lógica estar à espera para fazer mais sentido depois. E porque parecido não quer dizer igual, deliciem-se com outra massa que gosto muito de comer e de fazer quando o tempo e a imaginação escasseiam.

Bom fim-de-semana!

 

IMG_5412.JPG

IMG_5413.JPG

Macarrão com Queijos e Tomate

(Para três pessoas como refeição/ 4 como acompanhamento)

 

 

Ingredientes:

 

- 300 gramas de massa cortada (macarrão, cotovelos grandes, penne...)

- 1 colher de sopa bem cheia de margarina

- 1 colher de sopa bem cheia de farinha

- 250 ml de leite

- 3 colheres de sopa de parmesão ralado no momento

- 100 gramas de mozarela ralado + mais alguma para gratinar

- 4 colheres de sopa de tomate de lata em pedaços

- 1 colher de café de massa de pimentão

- 1 colher de café de ketchup

- Sal q.b

- Noz-moscada q.b

- Pimenta q.b

- Salsa q.b

- Pão ralado q.b

 

Notas: Para esta receita utilizei mozarela e parmesão, mas podem enriquecer a massa e utilizar outros queijos da vossa preferência: gorgonzola, fontina, provolone, pecorino, cheddar...

 

Modo de preparo:

 

1 - Coza a massa numa panela com água temperada de sala até estar Al Dente.

 

2 - Faça o molho de queijo, coloque a margarina num tacho e leve ao lume a derreter. Quando estiver derretida adicione a farinha e mexa para que absorva a margarina. Junte um pouco de leite e vá mexendo com uma vara de arames até criar uma pasta espessa. Adicione o resto do leite e mexa sempre até o molho ter alguma espessura. Tempere com sal, noz-moscada ralada, pimenta e salsa picada. Não abuse muito no sal, porque os queijos têm sempre algum teor de sal extra. Junte o queijo mozarela e o parmesão ralado no momento e mexa bem. Por fim, adicione o tomate de lata em pedaços, a massa de pimentão e o ketchup. Se o molho estiver muito espesso pode adicionar um pouco de leite ou água aonde cozeu a massa.

 

3 - Quando a massa estiver cozida incorpore o molho de queijo e tomate. Coloque num tabuleiro para ir ao forno e polvilhe com quejo mozarela e pão ralado. Leve a gratinar até estar douradinho.

 

IMG_5411 (1).JPG

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

Como pintar um quarto? - D.I.Y

Quando pensamos na vinda de um bebé pensamos em muitas coisas, nomeadamente em quartos e remodelações. 

Há quem comece a montar o quarto assim que sabe que está à espera de bebé, outros fazem-no durante a gravidez quando já está tudo mais encaminhado e há quem espere até à hora do bebé ir para lá dormir sozinho. 

No nosso caso, optamos pela última hipótese , porque o quarto do Manel era a sala na qual jantávamos todos os dias, pelo que tivemos que reestruturar algumas coisas cá por casa antes de se fazer a mudança. 

Outra coisa que nos vem à cabeça quando pensamos em quartos de bebé é a pintura e  outras bricolages, será que fazemos nós ou recorremos a profissionais? 

Afinal é algo que, à partida, parece uma tarefa relativamente fácil. Cá por casa optámos por ser nós a pintar o quarto do Manel e, apesar de ter sido relativamente simples, pintar uma divisão é algo que requer alguns cuidados. 

Escolhemos não recorrer a um pintor porque era uma divisão pequena e não eram necessárias outras obras adicionais, ou seja, era só pintar o tecto e as paredes para dar uma cara nova ao quarto. Para além disso, conseguimos poupar algum dinheiro de mão-de-obra. Não pintámos as madeiras porque estavam em condições razoáveis e tal implicaria tempo e trabalho extra, por isso deixamos essa tarefa para o verão. 

No entanto, as pinturas domésticas podem ser cansativas e só aconselho que o façam se se sentirem à vontade para tal e tiverem disponibilidade. Confesso que apenas dei umas pinceladas, porque quem fez a maior parte do trabalho foi o Francisco e o meu pai, mas aprendi alguns truques que achei interessante partilhar com vocês, até porque não se aplicam apenas a quarto de bebé, podem ser utilizados na pintura de qualquer tipo de divisão. 

O resultado final foi o esperado, uma divisão pintada de fresco pronta a ser habitada pelo petiz cá de casa. 

Escolhemos uma cor semelhante ao resto da casa, o pastel da robbialac porque quisemos manter uma base neutra. 

No entanto, ainda consideramos um azul água muito translúcido. Para além de ter sido uma tarefa de perícia, foi sobretudo uma tarefa de amor por parte do pai e do avô. 

A decoração ficou ao meu cargo, mas ainda não está totalmente acabada. Contudo, espero falar-vos dela em breve. 

Por enquanto, deixo-vos os truques preciosos que utilizámos para assegurar que não borrávamos a pintura. Espero que vos seja útil e que se aventurem numa sessão de pintura caseira.

 

IMG_5391.JPG

Como pintar um quarto? - D.I.Y

 

Materiais/Aviamentos:

 

- Tinta para o tecto 

- Tinta para as paredes

- Rolo Grande (1 ou 2)

- Cabo para Rolo

- Pincéis (nº3 e nº4)

- Fita Adesiva de Papel

- Lençóis/Panos velhos ou Plástico para cobrir o chão

- Betume em pasta para reparar buracos/fendas

- Lixa fininha

 

Notas: Não se esqueça de lavar o rolo entre de mãos, para que a tinta não fique agarrada ao rolo e impossibilite o resto das pinturas. Lave o rolo e deixe-o secar antes de voltar a pintar. Dá jeito ter à mão outro rolo para substituir o primeiro enquanto este seca. Desta forma as pinturas são mais rápidas e pode-se ir alternando os rolos à medida que estão secos. 

Pintar não é difícil, mas requer muita paciência e alguma força. Enquanto passam o rolo, devem fazer alguma pressão para que a tinta agarre bem à parede, tal requer alguma força e jeito. No entanto, é uma tarefa que podem fazer vocês, basta algum engenho e dedicação! 

 
Como fazer:

 

Passo 1 

 

A primeira coisa que deve fazer é calcular a quantidade de tinta que vai precisar, para tal deve medir a divisão que vai pintar e depois é só perguntar na loja de tintas/bricolage que quantidade de tinta vai ser necessária. Deve medir os lados da divisão, assim com a altura da mesma. Por exemplo, a área do quarto do Manel é : 4 M X 2 M = 8 m2 e tem um pé direito (altura) de mais ou menos 3,2 M. No nosso caso, compramos uma lata de cinco litros para a pintura das paredes e duas latas pequenas de tinta branca para o tecto sendo que nos sobrou tanto tinta das paredes como de tecto. 
 

Passo 2 

  

Retire toda a mobília da divisão que vai pintar. Se forem pintar madeiras, este é o momento para as lixar. Não se esqueçam de limpar o pó antes de iniciar os outros trabalhos. Também sugiro que limpem o tecto com uma vassoura limpa-tectos ,assim como rodapés e outros cantos aonde o pó se possa ter acumulado. 

  

Passo 3 

  

Forre o chão com um plástico próprio (compra-se em superfícies como a Leroy Merlin ou Aki) ou com tecidos/lençóis velhos. Nós optámos pelos dois: tínhamos tecidos velhos de pinturas anteriores guardados e o plástico rasgava-se com alguma facilidade pelo que achámos melhor também tapar com os panos velhos.  

  

Passo 4 

  

Com fita adesiva de papel isole o contorno das portas, das janelas e rodapés. Tape possíveis buracos de pregos ou fendas com betume em pasta (existe em bisnagas já feito) e deixe secar bem de acordo com as instruções do fabricante. Quando estiver seca passe uma lixa fininha para uniformizar a parede.

 

DSC01610 (1).JPG

DSC01612.JPG

DSC01615.JPG

 

Passo 5 

 

Comece por vestir roupa velha ou alguma coisa que não se importe de estragar, se desejar também pode utilizar uns fatos macacos descartáveis que se vendem em lojas de bricolage.  
 

Passo 6 

 

Comece por pintar o tecto, para tal abra a lata da tinta e mexa bem com um pau que chegue ao fundo da lata, garantindo que a tinta fica bem misturada. 

Os tectos cá de casa são ligeiramente arredondados, pelo que foi necessário pintar essa parte a pincel (nº4) porque o rolo não chegava lá bem. Se tiverem tectos semelhantes recomendo que o façam antes de pintar a superfície "direita" do tecto, tal também se aplica ao remate entre o tecto e as paredes (pincel nº 3).

Deite a tinta num tabuleiro próprio e passe um rolo grande preso ao respectivo cabo pela tinta. Cubra o rolo com tinta e passe-o várias vezes pela "rampinha" do tabuleiro para que o mesmo não fique com excesso de tinta. 

Para pintar o tecto, sugiro que o "divida"  mentalmente em quatro, isto é, comece por pintar um quarto e vá pintando os outros no sentido do ponteiro dos relógios. Depois de ter pintado toda a superfície, verifique que a pintura está uniforme e deixe secar a primeira de mão por cerca de quatro horas. Ao fim de quatro horas, dê a segunda de mão de tinta.  

 

Passo 7 

 

Depois de ter pintado o tecto pinte as paredes da divisão. Comece por fazer os contornos das paredes com o pincel, ou seja, passe o pincel pelos cantos e pelas divisões entre o tecto e os rodapés, assim como pelo locais aonde o rolo não consegue chegar com facilidade. 
 

Assim que tiver feito os contornos a pincel, pinte as paredes seguindo a mesma lógica. Deite a tinta num tabuleiro próprio e passe um rolo grande preso ao respectivo cabo pela tinta. Cubra o rolo com tinta e passe-o várias vezes pela "rampinha" do tabuleiro para que o mesmo não fique com excesso de tinta. "Divida" mentalmente a parede em quatro, de forma a garantir que não pinta duas vezes o mesmo pedaço de parede e que não se "perde" na pintura. Comece por pintar um quarto da parede e siga pintando os outros guiando-se pelo sentido do ponteiro dos relógios. Depois de ter pintado todas as paredes, deixe secar por quatro horas. Quando as paredes estiverem secas dê a segunda de mão de tinta e no final certifique-se que a pintura está uniforme e sem manchas. Se tal ocorrer, basta passar o rolo nos locais onde é necessário um pouco mais de tinta. 

 

Passo 8 

 

Deixe secar bem a divisão antes de a voltar a habitar , abra as janelas para arejar bem e para que o cheiro da tinta vá saindo aos poucos. Lave os materiais e guarde-os para futuras pinturas! 

Nós mudamos o Manel dois/três dias depois de termos terminado as pinturas, sendo que hoje em dia as tintas têm muito menos cheiro, mas mesmo assim ainda paira no ar um travo a tinta durante alguns dias. 

Se pintarem as madeiras tenham o cuidado de isolar bem o contorno entre as mesmas e as paredes, sendo que as tintas a óleo para madeiras são geralmente mais difíceis de retirar.  

 

Passo 9 

 

A divisão está pronta a habitar, encham-na de sonhos e de magia! Lembrem-se que não há melhor pintura do que a que é feita com alegria e dedicação!  

 

Deixo-vos uma pequena amostra do resultado final, sendo que ainda faltam muitos pormenores decorativos. Optámos por colocar estes quadrados em espuma, de forma a aparar as quedas próprias da idade de quem está a aprender a andar. Não os amo de paixão, acho-os muito coloridos para o meu gosto, mas são para o bem do Manel por isso tive que arranjar uma forma de os inserir na decoração do quarto. Num post futuro, falarei-vos disso e também dos detalhes da decoração assim como do resultado final do quarto do pestinha!

 

 O antes

IMG_5393 (1).JPG

O depois

IMG_5396.JPG

IMG_5395.JPG 

DSC02198.JPG

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook. 

  

Doces #10 - As trufas da Donna

Amanhã é dia do pai e este vai ser especial porque é o primeiro do Manel. 

Não é que todos os outros dias não sejam importantes para celebrar a família, mas é engraçado celebrar estas datas sobretudo quando eles são pequeninos. 

O Manel não se há de lembrar deste primeiro dia do pai, contudo achei engraçado fazer uma lembrancinha caseira para oferecer ao Francisco. E também para oferecer ao meu pai!  

Aproveitando o facto de gostarem os dois de chocolate, achei esta era uma excelente ocasião para testar a receita de trufas da Donna Hay. 

Adoro as receitas da Donna, porque são receitas simples com um toque sublime de elegância. As fotografias são qualquer coisa de espectacular, mas isso não me surpreende porque a Donna é rainha na arte de fotografar comida.  

A receita das trufas é muito simples e prova que a simplicidade não é sinónimo de desinteresse, mas sim de engenho culinário. 

Se o chocolate for bom precisa de pouco para ser delicioso e a pureza dos ingredientes não deve ser ofuscada pela sua demasia. 

Para além disso, é uma sobremesa super rápida de fazer e excelente para fazer com crianças. É, por isso, uma óptima receita para o dia do pai, fazer qualquer coisa para oferecer ao homens das vossas vidas e se tiverem filhos ainda os mantêm entretidos durante um pedaço de tempo. Para dar um toque pessoal à receita optei por enrolar algumas trufas em pó de praliné de amêndoas, acho que fica uma delícia! 

Se ainda não têm nada para oferecer aos papás amanhã, esta é uma óptima solução! 

Sugiro que coloquem as trufas numa caixa de papel em ou então numa latinha engraçada, se desejarem podem separá-las em caixinhas de papel frisado. 

Eu utilizei uma lata em forma de coração que tinha comprado na Tiger pela altura do Natal. 

Mas no pinterest encontram ideias super giras de caixas de cartolina para fazer em casa. As minhas preferidas são: esta caixa feita com um prato de papel, esta em forma de ananás e esta a imitar um cone de gelado

Não deixem de experimentar a receita, seja para oferecer ou para adoçar a boca após as refeições! 

Bom dia do pai e sobretudo um bom domingo em família. 

 

IMG_5359.JPG

IMG_5360.JPG 

As trufas da Donna

(receita original aqui - eu fiz meia receita)

 

Ingredientes:

 

- 300 gramas de chocolate para culinária (70% cacau)

- 90 ml de natas gordas

- cacau em pé para polvilhar

 

Para o praliné:

 

- 250 gramas de açúcar

- 50 ml de água

- 75 gramas de amêndoas laminadas

 

Modo de preparo:

 

Para o praliné:

 

Faça o caramelo, leve o açúcar e a água ao lume e deixe o açúcar derreter completamente até formar uma calda, não mexa o caramelo. Deixe a calda ferver e o caramelo ganhar cor, é um processo muito rápido. Deixe o caramelo ganhar uma tonalidade ocre e retire do lume. Derrame o caramelo sobre uma pedra mármore untada com um pouco de óleo ou outra superfície untada. Polvilhe com as amêndoas laminadas e deixe solidificar. Descole a placa de caramelo e parta em pedaços médios/pequenos. Pique os pedaços de caramelo, na 1-2-3 ou num processador, até obter um pó amarelo/ocre. Pode guardar este pó de praliné num frasco hermético e utiliza-lo em vários doces: num leite de creme; numa mousse de chocolate negro; num gelado de baunilha... É divinal, e nesta trufas resulta na perfeição!

 

Para as trufas:

 

1 - Pique finamente o chocolate. Coloque numa taça e reserve.

 

2 - Coloque as natas num tacho pequeno e leve-as ao lume até começarem a ferver. Retire as natas bem quentes do lume e derrame sobre o chocolate, mexa bem até o chocolate estar bem derretido. Se for necessário coloque a tigela sobre um tacho com água, em banho-maria, de forma a ficar com uma mistura homogénea e sem grumos.

 

3 - Unte um pirex com um pouco de óleo e deite nele o chocolate. Alise a superfície e leve ao frigorífico por 2/3 horas ou até o chocolate estar solidificado.

 

4 - Quando o chocolate estiver duro, retire do frigorífico e deixe amolecer um pouco de forma a conseguir moldar pequena bolinhas do tamanho de uma noz. Passe umas pelo cacau em pó e outras pelo praliné. 

 

IMG_5362.JPG

IMG_5361.JPG

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

As expressões do Manel #2 - Pão, Pão, Pão

Há tentações que são as melhores coisas do mundo. É o caso da manteiga. E é o sério caso de amor que tenho por este bebé e pelas suas expressões deliciosas. Do oito ao oitenta, em meio minuto sequencial de tempo. Porque ainda não fala, mas gosto de imaginar aquilo que diz. E porque ser mãe é tão delicioso como um bocado de pão quente com manteiga. Feliz sexta-feira e um óptimo final de semana a todos!

 

IMG_5351.JPG

Hum... Pão. Pão com aquela coisa boa.Que bom! (palminhas interiores). Encontrei a alegria!

IMG_5350.JPG

Ai, ai. A vida é maravilhosa e eu sou um bebé feliz.Deixa cá lamber isto tudo antes que o cão apareça.

IMG_5352.JPG

Ora deixa ca ver aonde é que está aquilo bom e cremoso que ela me deu a provar no outro dia, a minha mãe querida!

IMG_5349.JPG

Mas que raio! Aonde é que está, NÃO ENCONTRO! Daqui a nada frito a pipoca.

IMG_5348.JPG

Queres ver que ela me enganou? Queres ver que me deu isto sem aquilo?! Pão seco?! Como se eu estivesse gordo.

IMG_5347.JPG

E deu mesmo! Pão seco, a mim que sou tão fofinho! Não há direito, já não te lambuzo mais hoje sua má!

IMG_5329 (1).JPG

Será que ainda há esperança? E se fizer beicinho por um pouco de manteiga? Vá lá mamã. Até bato as pestanas se for preciso!

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

 

Mommy Meals #15 - Esparguete à Napolitana

Sou uma eterna amante de massas e se tivesse que escolher a minha última ceia as massas estariam presentes no menu. 

Gosto das massas mais simples, sem grandes complicações nem muito ingredientes. 

Esparguete salteado num bom azeite e alho com parmesão ralado na hora ou com um molho de tomate rápido e de sabor intenso....  

Acho que era capaz de comer massa todos os dias sem me fartar, mas cá em casa há amantes de arroz que não me deixam sucumbir a essa vontade diária. 

Sempre que tenho oportunidade e falta de ideias lá faço uma refeição de massa, rápida e só para mim, um fast-food saudável e caseiro.  

É mesmo uma refeição rápida e fácil de preparar, sem grande complicações, mas com muito sabor. 

Aquela que costumo fazer com mais frequência é o clássico esparguete à napolitana, basicamente esparguete com molho de tomate. 

Se desejarem podem utilizar a receita que vos deixo como base e juntar outros ingredientes como bacon, azeitonas, fiambre, alcaparras, carne picada (uma espécie de esparguete à bolonhesa aldrabado)...  

De quando em vez junto uns pedaçinhos de bacon, mas confesso que prefiro a versão mais simples.  

Quando não faço só para mim, utilizo a mesma receita como acompanhamento de bifes, hambúrgueres, panados...  

O certo é que funciona sempre na perfeição e é uma aposta ganha nos dias de mais correria. 

E que tal uma dose para o jantar? Aqui fica a minha receita deste clássico italiano.

 

IMG_5344.JPG

IMG_5346.JPG

Esparguete à Napolitana

(para uma pessoa - como refeição ; para duas - como acompanhamento)

 

Ingredientes:

 

-175 gramas de esparguete

-10 tomates cherry médios ou um tomate coração de boi (aqueles deformados e feios)

- 1 colher de café de pasta de tomate

- 2 colheres de sopa de polpa de tomate

-1 dente de alho grande

-1 colher de chá de manjericão seco

-1 colher de chá de orégãos

-Algumas folhas de manjericão fresco

-Azeite q.b

-Sal q.b

-Parmesão q.b

 

Modo de preparo:

 

1 - Coza o esparguete numa panela com água temperada de sala até estar Al Dente. Reserve um pouco da água da cozedura.

 

2 - Enquanto a massa coze faça o molho de tomate. Para tal, pique finamente um dente de alho e corte os tomates cherry ao meio. Cubra o fundo de uma frigideira com um bom fio de azeite e salteie o alho e os tomates. Quando os tomates estiverem murchos, esmague-os com um esmagador de batatas ou uma espátula de forma a libertarem os sucos. Adicione a pasta e a polpa de tomate, mexa bem. Tempere o molho com sal, manjericão seco e orégãos. Adicione um pouco da água aonde cozeu a massa e deixe o molho ganhar algum corpo. Quando o molho tiver reduzido, adicione o esparguete e envolva-o bem com o molho. Caso seja necessário adicione um pouco mais da água aonde cozeu a massa. Rectifique os temperos e sirva com parmesão ralado na hora e manjericão fresco picado.

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

Como costurar uma colcha para bebé? - D.I.Y

O DIY que vos trago hoje tem como inspiração um caso de amor à primeira vista. 

Como em muitos projectos que faço, a ideia surgiu quando vi este tecido acolchoado, maravilhoso, sem sequer ter ido à procura dele. 

Não resisti e tive que o trazer para casa – quem gosta de costurar e de tecidos sabe que há sempre espaço no coração para mais um metro ou outro - além do mais já tinha pensado em fazer uma colcha para o berço do Manel, por isso foi juntar o útil ao agradável e com uma simples fita de viés tinha o trabalho pronto em menos de nada. 

Este tecido é perfeito porque é dupla-face, sendo apenas necessário cortar à medida e debruar, o que facilita imenso o trabalho e reduz o tempo de confecção para metade. 

É um projecto muito simples e essencialmente só precisam de saber aplicar uma fita de viés. 

No entanto, se desejaram podem acolchoar um tecido da vossa preferência e depois é só debruar para finalizar. 

Caso o queiram fazer, sugiro que vejam este vídeo do canal de youtube Made to Sew, no qual é explicado em detalhe como se acolchoa tecido. 

De qualquer das formas é um projecto muito divertido de fazer, mais rápido e fácil se o tecido já estiver acolchoado. Contudo, se o decidirem fazer vocês têm a enorme vantagem de ficar com uma peça super exclusiva e especial.

Acolchoar tecido é uma técnica que depois de dominada permite fazer um sem número de projectos, sendo muito mais simples de fazer do que parece e uma excelente forma de praticar os pespontes. 

O tecido que escolhi é da Nomalism, mas há semelhantes em várias lojas de tecidos e há uns dias vi um cinzento lindo na At Home

Neste caso, o projecto é uma colcha para bebé e o tamanho é para um berço ou cama de grades. No entanto, podem adaptar as medidas e fazer uma colcha do tamanho que desejarem.

Sem mais demoras passo ao tutorial, muito rápido e no fundo uma explicação básica de uma das mil maneiras de aplicar viés!

 

IMG_5337.JPG

IMG_5336.JPG 

Como costurar uma colcha para bebé - D.I.Y

Para uma colcha de 1,20mX 1m

 

 

Materiais/Aviamentos

 

- 1 metro (1,40 m de largo de tecido acolchoado de dupla-face)

- 5 metros de fita de viés da cor que desejarem (podem combinar com o tecido o utilizar uma cor de contraste)

- Materiais de costura básicos: tesoura, giz de alfaiate ou caneta hidrossolúvel, alfinetes, linhas, máquina de costura, ferro de engomar... 

 

Plano de corte:

 

Tecido Acolchoado:

Cortar:

Um rectângulo com as seguintes dimensões: 1 M X 1, 2 M

 

Notas: Caso escolham acolchoar o vosso próprio tecido a lista de materiais necessários difere um pouco. Sendo que devem comprar o dobro do tecido simples (2 metros de tecido para um tecido que tenha pelo menos 1,20 M de largo) e manta acrícilica ou beitão de algodão. O tecido simples é depois cortado em dois rectângulos com as dimensões referidas no plano de corte e a manta acrílica é geralmente cortada com uma margem extra (1,20 M X 1,40 M). Devem acolchoar o tecido seguindo a técnica menos comum, ou seja, devem colocar a manta acrílica no meio de duas camadas de tecido de forma a obter um tecido acolchoado de dupla face. 

 

Como fazer:

 

Caso precise de acolchoar o tecido, essa deverá ser a primeira tarefa a realizar. Depois de o fazer, certifique-se que rematou todas as linhas e corte o excesso de manta acrílica.

 

1 - Comece por cortar o rectângulo de tecido acolchoado de acordo com o plano de corte.Arredonde os cantos do rectângulo, para tal auxilie-se de um prato ou de outra superfície redonda e desenhe os cantos antes de os cortar. A colcha está cortada e pronta a debruar, caso não a vá debruar de seguida sugiro que chuleie todo o seu contorno para que o acolchoado não se desfie.

 

DSC01039.JPG

DSC01041.JPG

DSC01331.JPG

  

2 - Debrue todo o contorno da colcha com a fita de viés. Comece por abrir a fita e coloque-a no meio de um dos lados da colcha de forma à união das pontas da fita ficar centrada. Se desejar fixe a fita com alfinetes ou alinhave a todo o contorno da colcha. Cosa a fita à colcha, guiando-se pelo primeiro vinco da fita e deixando uma margem de 1,5 cm sem coser no início da costura (no local aonde começou por fixar a fita). Quando chegar ao início da fita, costure a ponta inicial da fita ao final da mesma e corte o excedente.

 

DSC01989.JPG

DSC01991.JPG

DSC01992.JPG

DSC01993.JPG

DSC01995 (1).jpg

DSC01996.JPG

 

Quando a fita estiver cosida à colcha, apare o excesso em redor da costura que realizou de forma a conseguir virar o viés ,com facilidade, para o outro lado. À medida que vai virando o viés para o outro lado da colcha vá passando com o ferro, a fita deve ficar bem vincada e esconder os pontos da costura anterior. 

 

DSC01997.JPG

DSC01999.JPG

DSC02001.JPG

DSC02003.JPG

 

Para finalizar a costura da fita de viés é necessário coser a fita ao outro lado da colcha. Este processo costuma ser fase mais delicada do processo porque é necessário "apanhar" ambos os lados da fita. Para garantir o sucesso deste passo, sugiro que alinhave em primeiro todo o contorno de forma a que a fita não "fuja" enquanto a cose. Quando se debrua com fita de viés é costume ficar-se com um lado geralmente mais pequeno que o outro, ou seja, há um lado da peça no qual a fita é mais estreita. Regra geral escolho pespontar à máquina por esse lado, de forma a certificar-me que os pontos ficam "dentro da fita" em ambos os lados. 

 

DSC02004.JPG

DSC02007.JPG

DSC02014.JPG

IMG_5335.JPG

  

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

 

It-Girls do Antigamente #2 - Jane Birkin

O nome da It-Girl do antigamente que vos trago hoje é-vos decerto familiar, sobretudo se gostarem de moda. 

Além de ser conhecida pelas suas canções, filmes e romances amorosos dos anos 70/80, a Jane Birkin foi quem deu nome à famosa (e estupidamente cara) mala Birkin da Hermés. 

Se há ícones de estilo, ela ocupa seguramente um lugar no pódio. 

Inglesa, mas tendo passado grande parte da vida em França, Jane foi protagonista de vários temas icónicos da música popular francesa, alguns ao lado do cantor Serge Gainsbourg com quem viveu um romance digno de filme.Tem três filhos e uma delas, fruto deste relacionamento, é a actriz Charlotte Gainsbourg. 

Jane também apareceu em alguns filmes, mas confesso-me pouco conhecedora do cinema desta época. Sou, no entanto, apaixonada pelo seu estilo boho-chique com um toque lady-like à mistura. 

Foi contemporânea da sensual Brigitte Bardot, com quem fez par romântico no filme Se Don Juan Fosse Mulher e, a meu ver, tinha um estilo muito mais interessante do que Bardot.

Qualquer que seja o look parece sempre que não se esforçou muito para o compor, o que lhe dá, acho eu, muita pinta sem se tornar desinteressante ou monótona, mantendo um "je ne sais quois" muito característico desta época. 

É uma It-girl do antigamente, mas podia perfeitamente brilhar nas redes sociais de hoje em dia. E, vejam só, as cestas de vime que usava a fazer de carteira são uma das peças tendência desta primavera/verão... 

Porém, mais do que a carteira a que deu nome, a habilidade de tornar uma cesta de vime em algo cool e trendy fazem com que Birkin seja sinónimo da moda moderna e do dia-a-dia.

 

loo (1).jpg

lok.jpg

nova.jpg

plokjhh.jpg 

polk.jpg

c1c324420800978a890f99ec73c828d9.jpg

d31a09766bae7ed85ae4d287525f8a2a.jpg

ihihihih.jpg

dance.jpg

(todas as fotografias foram retiradas do pinterest)

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

Essenciais para bebé #5 - Fita para chucha - D.I.Y

Nova semana, novos DIY's. 

Ando sempre a fazer promessas de postar pelo menos dois projectos por semana e acabo sempre por faltar à minha palavra... 

Metem-se afazeres pelo meio e lá fica a coisa pendurada. Chego à conclusão que é melhor não prometer nada e que seja aquilo que Deus (ou o tempo) quiser. 

Hoje não trago promessas, mas sim um DIY muito rápido de fazer  e perfeito para oferecer como lembrança a um bebé. 

É uma fita para prender a sagrada chucha que teima sempre em cair no chão. Digo sagrada porque é um descanso os bebés gostarem da usar, sendo um alívio para os pais e um conforto para os bebés. 

O Manel só gosta das chuchas com tetinas redondas e foi um alívio quando finalmente lhe pegou. Espero que um dia não seja muito difícil de a largar, mas enquanto utiliza é fundamental algo para a prender à roupa. 

Se quando era mais bebé não utilizava muito agora é crucial pois manda tudo ao chão. No entanto, em casa não usa tanto e sempre que o deito tiro a fita porque tenho sempre receio que se enrole à volta do pescoço.  

Acho que dá sempre jeito ter uma destas fitas à mão, sendo por isso uma prenda engraçada para oferecer como lembrança. É um autêntico essencial para bebé, prático e um complemento de qualquer toilette.

A fita é super rápida e fácil de fazer, sendo óptima para iniciantes. 

Fica o tutorial e não a promessa, mas esperança, de outros DIY'S ainda esta semana! 

 

IMG_5270.JPG

IMG_5269.JPG

Fita para chucha 

 

Materiais/Aviamentos: 

 

-Retalho de tecido 

-20 cm de elástico com 2 cm de largo ou da largura final da fita

-20 cm cordão de algodão 

-Mola para chuchas 

-Botão decorativo 

-Materiais de costura básicos: tesoura, giz de alfaiate ou caneta hidrossolúvel, alfinetes, linhas, máquina de costura, ferro de engomar...   

 

Notas: A presilha da mola para chuchas que utilizei tinha cerca de 2 cm. Sugiro que  verifiquem o tamanho da presilha da vossa mola, para que a fita se encaixe na perfeição.

DSC01663.JPG

 

Se o tamanho for diferente, basta modificar a largura do rectângulo de tecido a cortar. Para tal, basta aplicar a seguinte formúla:

 

 (largura da mola X 2) + 1 cm para valor de costura 

(sugiro que mantenham o comprimento de 35 cm)

 

O elástico deve sempre acompanhar a largura da fita, ou seja, para um fita de 2 cm finais devem utilizar um elástico de 2 cm largo; para uma de 1,5 cm finais devem utilizar um elástico de 1,5 de largo e assim sucessivamente.

 

Cortar: 

Um rectângulo com as seguintes dimensões:

35 cm X 6 cm (Valores de costura incluídos: 1 cm) 

OU

35 cm X (largura da molaX2) + 1 cm para valor de costura

20 cm de elástico com 2 cm de largo ou da largura final da fita

16 cm de cordão de algodão 

 

Como fazer: 

 

1- Corte o rectângulo de tecido para criar a fita para a chucha. Dobre o rectângulo ao meio no sentido do comprimento, unindo o direito com o direito, e vinque com o ferro. Cosa a lateral à máquina, pelo avesso do tecido, e abra os valores de costura com o ferro. Volte o trabalho para o direito e passe com o ferro. 

 

DSC01529.JPG

DSC01530.JPG

DSC01531.JPG

DSC01534.JPG

DSC01536.JPG

  

2 – Dobre as pontas da fita para dentro de forma a ficar com as bainhas da fita escondidas, passe com o ferro. Com a ajuda de um alfinete de ama, passe o elástico por dentro da fita. Comece por fixar o elástico com um pesponte na bainha da fita por aonde o elástico entrou e depois puxe o elástico para cima, com a ajuda do alfinete, e fixe com um pesponte na bainha oposta à por onde o elástico entrou. Apare possíveis excessos de elástico e remate as linhas dos pespontos. 

 

DSC01537.JPG

DSC01538 (1).JPG

DSC01539.JPG

DSC01541.JPG

DSC01542.JPG

DSC01543.JPG

DSC01544.JPG

DSC01545.JPG

  

3 – Corte 16 cm de cordão de algodão da cor da sua preferência e dobre ao meio. Deixe uma margem de 1,5cm/2cm para desfiar e dê uns pontos unindo as pontas do cordão. Cosa o cordão numa das pontas da fita, de forma a criar a argola para passar a chucha. Para tal coloque o cordão no local pretendido e cosa o botão ao cordão e à fita em simultâneo, escondendo os pontos que deu no cordão anteriormente. Desfie as pontas do cordão para criar uma mini-borla. Fixe o cordão á fita com uns pontos extra no topo da bainha.  

 

DSC01558.JPG

DSC01559.JPG

DSC01563.JPG

 

4- Passe a mola para chuchas na ponta oposta à do cordão, faça uma dobra para o verso da fita e dê uns pontos invisíveis à mão para fixar.  

 

DSC01683 (1).JPG

DSC01684 (1).JPG

 

A fita está pronta a utilizar. Sugiro que a retire sempre que colocar o bebé a dormir.

 

IMG_5271.JPG

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

A mãe não tem tempo #1 – O drama dos collants

Há dramas femininos para os quais ninguém tem paciência. 

Há dramas no feminino dos quais as mães deviam ser poupadas. 

Não por terem carregado um ser humano durante 9 meses, não por terem rendido o seu corpo esporadicamente como forma de alimento, não por serem verdadeiras rainhas na arte do  multi-tasking mas apenas e só porque as mães não têm tempo para lidar com irritações quotidianas, ou têm menos disponibilidade do que quem não tem um pedaço de gente a reclamar com fome ou com qualquer outro dilema não verbalizado.  

 Estas irritações quotidianas que nos infiltram o dia-a-dia com momentos de menos boa disposição, fazem-nos perder , por instantes, toda e qualquer esperança na humanidade, assim como paciência para com as nossas vidas e crias. 

Se há coisas que nos enervam como mulheres,  esses dilemas pioram se vividos com um pequeno ser humano a chorar em modo cruzeiro. 

É, basicamente, como se uma ervilha se transformasse  em abóbora. E, de repente, o burro está nas couves e o caldo entornado. Depois passa, porque não temos outro remédio e porque de facto era apenas uma ervilha e não uma abóbora. No entanto, somos seres humanos e não é por vivermos o milagre da vida que a irritação nos passa ao lado. Não é por sermos absolutamente felizes que deixamos de as ter, até porque, sejamos honestas, que graça teria sermos uma Alice no País das Maravilhas? 

Dos dramas femininos que mais me encaniçam o juízo, o que a seguir descrevo ocupa o primeiro lugar no pódio. Aliás foi de o viver no outro dia que surgiu a ideia para esta rubrica. 

Sou amante incondicional de calças, a Coco Chanel merece um lugar num pedestal por as ter trazido para o universo feminino, mas gosto de alguns vestidos e de os vestir de vez em quando. No entanto, é cada vez mais raro fazê-lo - parece que me esqueço deles e das suas irmãs saias.   

Na verdade, tento convencer-me de que é por esquecimento que não os visto no Inverno. Contudo, o verdadeiro motivo é o eterno drama dos collants. Tenho a certeza de que não é um problema exclusivamente meu, pelo menos espero que não seja, mas os meus collants aparecem sempre estilhaçados como se habitasse uma traça no meu roupeiro ou se eu fosse vocalista de uma banda punk. 

Não é da qualidade, porque já utilizei mil e uma marcas e acabo sempre com uma malha levantada. E depois de uma malha levantada não há salvação possível, é sempre a piorar.  

 Para agravar a situação não os deito logo fora, na esperança de os vestir por debaixo de calças, mas nunca visto.... 

E depois acontecem episódios como este:  

Numa bela manhã de sol...  

10:00H – Manel vestido e preparado para sairno berço a brincar. Eu de banho vestido, maquilhada, só falta vestir. Soutien e cuecas; falta o resto.  

10:01 H– Decido vestir um vestido cinzento escuro que já não visto há umas semanas. Vou à gaveta dos collants e tiro uns pretos de vidro que me parecem em condições. Visto os ditos e verifico um buraco gigantesco que vai desde a virilha até ao joelho. Primeira tentativa falhada. Despir collant a cantar "The Wheels on the Bus" enquanto o Manel dá sinais de estar a perder a paciência.   

10:03 H– Vou à caça de outro par de collants. Entre mil e uma opções, tenho uns verde esmeralda e outros com glitter, nada de pretos básicos. Lá resgato uns do meio do molho que me parecem estar em bom estado. Visto-os toda contente da vida, a fazer uma dança que é um misto entre um canibal e uma adolescente já com uns quantos copos em cima. Tudo isto de soutien e cuecas.   

10:04 H - Ao vestir o vestido, reparo num buraco cá em cima na barriga. O Manel começa a guinchar e eu penso em deixar os collants e prosseguir com a festa. Depois imagino a figura de vocalista punk ou teenager gótica que vou fazer e volto atrás. Dispo os collants enquanto na minha mente ecoam palavras menos próprias. O Manel começa a passar-se para o lado do Darth Vader... 

10:05 – Digo ao Manel: "Já venho. Não Chora!" (como se ele percebesse). Corro até à outra ponta da casa em busca da minha última esperança: vivo com a minha mãe e assalto-lhe o guarda-roupa com frequência. O problema: ela sabe do meu drama de collants rotos e esconde os melhores num esconderijo secreto.   

10:06- Toca a procurar, qual Dora a exploradora. Pego nuns que me parecem aceitáveis e toca a ir salvar o pequeno Tarzan. Chego e está feliz da vida a balbuciar com os seus bonecos. Respiro e vou vestir os collants.  São azuis escuros ou pretos?  Bolas, são azuis escuros! Manel volta a passar-se para o lado negro. Desisto e visto umas calças. Pego no Manel e ponho-o a dormir.  

10:15- Com vontade de estrangular um pónei, pego nos collants rotos e ponho-os no lixo – juro nunca mais vestir um vestido no inverno. Digo umas quantas asneiras num monólogo comigo mesma. Bebo um café, acalmo a ira dos collants e aproveito o meu Tarzan estar domado.   

  

Lição dos collants:  Para não perder 15 minutos de sanidade mental, de futuro deito logo os rotos fora. Assim como assim parecem artigos descartáveis. Ou há por aí alguém que tenha inventado ou descoberto a coqueluche dos collants?  

Há mais alguém que partilhe do mesmo drama? 

Mães ou não, porque no fundo todas temos direito a um bom par de collants, sem buracos e que durem mais do que uma utilização.  

 

collants.jpg

Imagem retirada do pinterest.

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

Doces #9 - Húngaros saudáveis

Já escrevi várias vezes que não sou fundamentalista no que toca à alimentação. 

Gosto de manter uma dieta o mais variada possível e que inclui coisas ditas "saudáveis" e outras mais pecaminosas...No meu coração e no meu estômago há espaço para ambas! 

Sou amante de um docinho no final das refeições e esse é o hábito que tenho mais dificuldade em abolir. 

Tento não exagerar e nunca como grandes quantidades, porque sei que faz menos bem e apesar de não ser fundamentalista também não tenho qualquer interesse em ficar  gordinha. 

Nisto da alimentação, assim como em tantas  coisas na vida, o equilíbrio é o mais importante. Julgo que devemos fazer escolhas conscientes, mas não devemos viver numa "ditadura alimentar". 

Melhor do que comer saudável é comer bem e melhor ainda é quando o que nos sabe bem se alia ao saudável. 

Se há dias em que me basta um quadradinho de chocolate depois das refeições, noutros sabia-me bem outro doce qualquer. 

Para resolver o meu possível excesso de consumo de doces inspirei-me nesta receita de bolachas vegan. 

Resolvi modificar a receita base e adicionei-lhe um ovo e uma colher de mel, porque me pareceu que ficavam mais saborosas desta maneira. 

O resultado foram umas bolachas que me parecem perfeitas para comer no final de uma refeição ou a meio da manhã. 

Ainda assim, fiquei com a pulga da gulodice atrás da orelha e tive que as mergulhar em chocolate negro derretido. Nem é preciso dizer que ficaram ainda mais sublimes, no fundo uns húngaros saudáveis. 

Ambas as versões são óptimas, depende do vosso gosto e disposição, assim como a ocasião em que as vão comer ou servir. 

As simples são perfeitas para comer a meio da manhã ou para os miúdos levarem na lancheira, as com chocolate são óptimas para servir num lanche de amigas ou a acompanhar o café. 

Seja qual for a versão que escolherem vão se deliciar com elas, espero que conquistem o vosso paladar como conquistaram o meu.

 

IMG_5202 (1).JPG

IMG_5206.JPG

IMG_5204.JPG 

Húngaros saudáveis

Para 18 bolachas

 

Ingredientes:

 

2 bananas grandes ou 3 pequenas/médias 

150 gr de coco ralado + uma colher de sopa para polvilhar

1 ovo 

1 colher de sopa de mel + 1 colher de sobremesa de mel (opcional) 

100 gr de chocolate negro  

1 colher sopa manteiga  

1 colher sopa de leite  

 

Modo de preparo

 

1- Descasque e esmague as bananas com um garfo. Coloque numa tigela juntamente com o ovo batido e a colher de sopa de mel, mexa tudo até estar bem ligado. Adicione o coco ralado e misture com uma colher de pau até obter uma massa moldável (se for necessário pode adicionar mais coco). 

 

2- Faça pequenas bolas do tamanho de uma noz com a massa e achate-as de forma a criar bolachinhas com 1 cm de altura. Leve ao forno previamente aquecido a 180º até estarem bem douradinhas, vá verificando a cozedura pois é bastante rápida. Quando estiverem cozidas, retire do forno e deixe arrefecer sobre uma grelha.

 

3- Leve o chocolate a derreter com a manteiga e o leite em banho-maria. Quando estiver derretido e homogéneo,caso deseje adicione a colher de sobremesa de mel e mexa. Mergulhe metade da bolacha no chocolate e repita o processo até ficar sem bolachas. Coloque as bolachas sobre uma grelha forrada de papel vegetal e se desejar polvilhe as bolachas com coco ralado. Deixe o chocolate solidificar e sirva como desejar. Pode guardar as bolachas num recipiente hermético no frigorífico. 

 

IMG_5203.JPG

IMG_5205.JPG

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

Bases para Quentes Delaunay - D.I.Y

Para tristeza minha, na semana passada não houve DIY porque há dias em que o tempo parece que reduz em vez de aumentar e os projectos acabam por ficar em modo de avião. No entanto, permitiu me ficar com algum avanço e talvez consiga manter o ritmo que desejo para o blog em termos de DIY'S nos próximos tempos.  

O DIY que vos trago hoje é uma base para quentes. Estas bases para quentes são muito rápidas de fazer, mas demoraram algum tempo a sair do forno porque andei à procura da melhor solução para colar a parte em cordão a uma outra base. Inicialmente ia colar a uma base em cortiça, mas não encontrei uma cola que me satisfizesse. Por fim, acabei por utilizar feltro de 3mm e a cola para tecidos da gutermann ficando com o acabamento que desejava.  

Estas bases para quentes são peças muito divertidas, tanto de fazer como de ter. Podem dar largar à imaginação e utilizar as cores e combinações que mais gostam. Quando as terminei não pude deixar de me lembrar dos quadros do Robert e da Sonia Delaunay , pelo que não resisti e dei-lhes esse nome. É engraçado, mas a verdade é que talvez me tenha inspirado neles sem saber, porque cresci com cópias dos quadros deles na casa dos meus avós. As cores e a geometria são, de facto, algo fabuloso por si só e às vezes basta brincar e estuda-las para obter algo único e diferente. 

Dêem largas à vossa imaginação e deixem-se levar pela cor! Sem mais demoras aqui fica o tutorial, espero que gostem e caso tenham alguma dúvida não hesitem em coloca-la na caixa de comentários. 

 

DSC01437.JPG

DSC01443.JPG 

DSC01451.JPG

Bases para Quentes Delaunay - D.I.Y

 

Materiais/Aviamentos: 

(para uma base para quentes com +/- 18 cm de diâmetro) 

 

-55 cm de cordão de algodão (Cor A) 

-1,70 cm de cordão de algodão (Cor B) 

-1,70 cm de cordão de algodão  (Cor C) 

-2,10 cm de cordão de algodão (Cor D) 

-25 cm de Feltro de 3mm de espessura (da cor que preferirem) 

-Cola para tecidos (eu utilizei da marca gutermann, mas a BLOK – cola de acetato de vinilo - também é uma boa opção)  ou cola quente

-Agulha e linha 

 

Notas: As minhas bases têm mais ou menos 18 cm de diâmetro, no entanto para ficarem maiores basta adicionar mais cordão. Em duas delas utilizei 4 cores e noutra apenas duas, sendo que podem utilizar a quantidade de cores que quiserem ou até só uma. As três bases para tachos  têm um esquema de cores diferentes , mas mantendo as mesmas quantidades de cordão. Se decidirem utilizar apenas uma cor, devem somar as medidas dos 4 cordões obtendo o valor necessário. Para perceberem melhor fica este diagrama explicativo de cada uma delas:  

 

Diagrama cores bases.jpg

 

Plano de Corte: 

Cortar: 

 

 55 cm de cordão na cor 1 

1,70 cm de cordão na cor 2 

1,70 cm de cordão na cor 3 (cor 1 no caso da pega B) 

2,10 cm de cordão na cor 4 (cor 2 no caso da pega B) 

 

Como fazer: 

 

1 – Cortar os cordões nas cores da sua preferência seguindo as instruções do plano de corte. 

 

2- Com uma agulha e linha, cosa à mão com uns pequenos pontos o cordão 1 ao cordão 2. Depois cosa o cordão 3 ao cordão 2, tendo em atenção que deve coser os cordões direito com direito de forma a ficar com as costuras todas para o mesmo lado. Para tal, sobreponha o cordão 3 ao cordão 2 e cosa. Por fim, cosa o cordão 4 ao cordão 3 da mesma forma. Se quiser juntar mais cordão, basta realizar o mesmo procedimento até estar satisfeito com o número de voltas. O resultado final é um cordão com várias cores. 

 

DSC01383.JPG

DSC01384.JPG

DSC01385.JPG

DSC01386.JPG

 

3- Quando os cordões estiverem todos unidos uns aos outros, comece a criar a base para quentes. Com as costuras de união viradas para cima, comece a enrolar a partir do cordão 1 até ficar sem cordão, no final crie uma argola com o cordão para pendurar a base e fixe a de imediato com um pouco de cola. A base de quentes já está criada, basta colar o feltro. 

 

DSC01466.JPG

DSC01467.JPG

DSC01468.JPG

DSC01470.JPG

 

4- Para colar o feltro à base, coloque a cola directamente na base em cordão utilizando movimentos circulares, de dentro para fora. Sobreponha o feltro ( um pedaço ligeiramente maior do que a base)  e cole-o à base. Verifique que os cordões estão bem colados ao feltro, dando especial atenção ao cordão de fora. Deixe a cola secar de um dia para o outro, colocando a base debaixo de livros pesado para que fique bem fixa.  

 

DSC01472.JPG

DSC01475.JPG

DSC01476.JPG

 

5- Quando a base estiver bem colada, corte o excesso de feltro. Se reparar que existem pedaços de cordão por colar utilize um pouco de cola nesses locais, fixando-os desta forma ao feltro. A sua base para quentes está pronta a utilizar.

 

DSC01429.JPG

DSC01430.JPG

DSC01431.JPG

 

DSC01446.JPG

 

Como de costume podem sempre seguir as nossas aventuras no instagram e no facebook.

Pág. 1/2